Páginas

Minha foto
,um quase nada ou um quase tudo, pensamentos sinuosos, passos descompassados, heterônimos, música, letra, péssima memória, muitos desejos, alguns livros roubados, as três, bons amigos, um grande amor, muitas frases inacabadas e reticências...

Os dedos


-->
Menina de saia rodada, ao vento sente-se borboleta e fora dele volta a sentir-se só. As poucas horas de um dia inteiro já a cansaram e ainda tem um corredor agigantado pelo vazio a seguir. O barulho de seus passos arrastados a faz acreditar que dor e amor são na verdade um único sentimento, sem encontrar uma palavra que defina esse inusitado jeito de sentir-se senta e encara seus pés como quem encara o desconhecido, com receio e bisbilhotice. A falta de sol a perturba, parece que as cores se apagam com o cinza do dia, porém percebe a plenitude em ser com os respingos da chuva que a faz lembrar de que se vive mesmo nos dias mais descoloridos. Há um mundo em sua volta e ela não sabe o que dele fazer, não era pra ser tão difícil, mas também ninguém disse que seria fácil. Seus pequenos dedos chamaram-na a atenção: porque dedos tão pequenos e tão finos? Caí de pára-quedas nessa vida, sem saber do que se vive e como se faz pra viver…Caí e chorei, porque não o riso ao invés de lágrimas? Como escolher os caminhos certos que devo seguir se não fui capaz de escolher meus próprios dedos? A menina assustou-se com seus pensamentos, percebeu que eles rumaram a uma direção que ela não desejava, tentou pensar no que comeria no jantar mas já era tarde demais, seus pensamentos não procuravam o óbvio, o perigo talvez, mas o óbvio não. Ao olhar o corredor que dobrara de tamanho seus olhos perderam-se como se valsassem sem música e sem par, perderam-se por medo de achar. Caso viessem a encontrar, já não existiria mais a busca, e do que então ela viveria? Os respingos já não a atingiam mais, a chuva cessara e ela nem se deu conta, decidiu levantar e enfrentar o corredor enquanto ele ainda cabia naquele momento. Um sopro de vento a fez borboleta novamente, ela deixou-se levar: Ah! Como me sinto culpada, parece que roubei toda a paz do mundo, toda a liberdade do mundo, todo o encanto do mundo e não me canso de querer mais e… A menina interrompeu seus pensamentos, o vento se foi. Num instante ela teve quase tudo que desejara e agora só tinha a poeira deixada pra trás,


Um comentário: